PASSEIO DE CARRO

           A maneira como a criança é transportada no carro pode ser tão importante quanto fatores como velocidade do veículo e condições da estrada. O acidente de trânsito (que vitima a criança na condição de pedestre, passageira de veículo e ciclista) é a causa líder de mortes por acidentes na faixa etária de 0 a 14 anos no Brasil. Em 2009, 633 crianças morreram como passageiras de veículos e 2.979 foram hospitalizadas, segundo Ministério da Saúde.

 

Como transportar a criança com segurança em um automóvel


           A melhor proteção para a criança no carro é o uso de cadeiras e assentos de segurança. O cinto de segurança é projetado para adultos com no mínimo 1,45m de altura e por isso não protege os pequenos dos traumas de um acidente.
 

          Nunca saia de carro com crianças sem estes sistemas de retenção, mesmo que seja para ir até a esquina.
 

       Entretanto, não basta apenas comprar um desses artigos para garantir a segurança da criança. É essencial usar cadeiras certificadas, apropriadas ao peso da criança e que se adaptem devidamente ao seu veículo. É importante instalar o equipamento de acordo com as instruções do manual. A maioria das cadeiras e assentos de segurança é instalada de forma incorreta.
 

       A Resolução 277 do CONTRAN – Conselho Nacional de Trânsito regulamentou o transporte de crianças em veículos. Segundo a norma, publicada em maio de 2008, crianças de até sete anos e meio devem ser transportadas obrigatoriamente no banco traseiro e em dispositivos de retenção de acordo com a idade. Em 2010, mas precisamente no dia 1º de setembro, iniciaram as ações de fiscalização por parte dos órgãos de trânsito. Para saber mais sobre a resolução e a forma correta de transportar a criança no veículo, faça uma aula virtual sobre o tema e consulte o Guia da Cadeirinha, no site www.criancasegura.com.br.
 

          CADEIRAS AMERICANAS E EUROPÉIAS: são certificadas ou seguem normas específicas de seus países. Qualquer produto proveniente dos Estados Unidos ou da Europa leva obrigatoriamente o selo de certificação ou segue padrões de segurança para fabricação e testes.
 

          CADEIRAS BRASILEIRAS: certifique-se de que possui o selo do Inmetro. Esta é a garantia de que o produto foi testado e pode resistir a um acidente. Se o produto não possui a certificação, não compre.

 

Saiba mais:


• Muitas colisões acontecem próximo à área de destino e origem ou em ruas com baixos limites de velocidade. Por isso é importante usar a cadeira sempre, mesmo em pequenas distâncias;

 

• Esteja atento ao selo de certificação de Padrões de Segurança Brasileiro (selo do Inmetro), Europeu ou Americano. O Brasil possui a NBR 14400, norma obrigatória que estabelece os requisitos de segurança de dispositivos de retenção para criança em veículos (cadeira e assento de segurança). Todos esses dispositivos vendidos em território nacional a partir de 1º/10/2008 devem conter o selo do Inmetro;

 

• Uma cadeira de segurança somente recebe o selo de certificação após passar pelos testes que garantem sua eficácia no caso de colisão:

 

• Teste estático: a cadeira é verificada quanto à resistência dos cintos, das fivelas, toxidade dos materiais usados, etc;

 

• Teste dinâmico: “car crash” - a cadeira é instalada dentro de um carro que colidirá contra um muro a 50 km/h.

 

• O airbag do passageiro pode machucar seriamente uma criança que estiver sentada no banco da frente, por isso, se for transportar uma criança em camionete, desative esse dispositivo;

 

• Estudos americanos mostram que cadeiras de segurança para crianças, quando instaladas e usadas corretamente, diminuem os riscos de morte em até 71% em caso de acidente;

 

Os ERROS mais comuns são:

 

• Usar uma cadeira inapropriada para a idade e o tamanho da criança;

 

• Colocar uma criança menor de 1 ano de idade ou com menos de 13 kg em uma cadeira de segurança de frente para o movimento;

 

• Não instalar a cadeira bem presa ao banco do carro e não colocar a criança corretamente na cadeira de segurança.



Fonte: www.criancasegura.org.br